Para presidente dos Correios, brasileiros vão pagar a conta da privatização

O presidente dos Correios, general Juarez Aparecido Cunha, disse em audiência na Câmara dos Deputados que os brasileiros acabarão pagando a conta de uma possível privatização da empresa. Ele afirmou que o interesse das empresas privadas sobre a estatal se relaciona à parte lucrativa do serviço, principalmente o trabalho de entrega de encomendas, com o restante tendo de ser arcado pelos cidadãos por meio de impostos.

Cunha citou números para apoiar essa ideia, afirmando que, em 2018, 92% dos lucros dos Correios vieram de apenas 324 municípios. Eles contribuíram com uma receita positiva de R$ 6,71 bilhões, enquanto outras 5.246 cidades apresentaram prejuízo quase equivalente, na casa dos R$ 6,54 bilhões. O principal motivo para essa balança desregulada, segundo ele, são os serviços de correspondência, que estão em declínio.

O presidente dos Correios se posicionou contra a privatização, afirmando que a empresa é cidadã e insubstituível. Ele citou os dois anos seguidos de perdas na casa dos R$ 5 bilhões, em 2015 e 2016, bem como os esforços de enxugamento de custos que geraram lucro de R$ 667,3 milhões em 2017 e R$ 161 milhões em 2018. Programas de demissão voluntária, fechamento de agências redundantes e outras medidas de contenção estão sendo tomadas para que a situação se torne ainda mais positiva, com Cunha dizendo que a companhia é plenamente sustentável.

Entretanto, para o governo, a decisão já está tomada. De acordo com o assessor especial do Ministério da Economia, Fábio Almeida Abrahão, uma das ideias por trás da privatização é, justamente, resolver esse déficit gigantesco de que se formou em volta do serviço postal, que deve ser mantido, justamente com sua universalização. Ele apontou o dedo para os escândalos de corrupção envolvendo fundos de pensão dos servidores, com um rombo de R$ 11,5 bilhões, citando que esse também é um nó a ser desatado.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: